venho apresentar a vocês a Raul também chamada de praça Raul soares

venho apresentar a vocês a Raul
também chamada de praça Raul soares


Praça Raul soares, uma boa e velha musica erudita de autores que lastimavelmente desconheço e sua fonte que dança com o lindo bale de aguas.
Centenas de pessoas de tribos diferentes passam por la todos os dias, pessoas que geralmente não se misturam, que se olham e se condenam;
Me pergunto o porque é claro afinal " Cada um em seu casulo, em sua direção, vendo de camarote a novela da vida alheia.
Sugerindo soluções, discutindo relações
Bem certos que a verdade cabe na palma da mão
Mas isso não é uma questão de opinião..."
antes de escrever esta matéria estive sentado no banco da praça claro sem o carlos alberto, mas tive tempo pra poder refletir sobre o andamento da vida.
Vi também uma coisa de certo incomum em bh, as novas rosas e o trato que estão dando na praça faz-me esquecer do cheiro fetido de nictorio de grande parte do centro, o bom e belo perfume das rosas contrastando com as belas pessoas que por la passam, mas no bom agora esta é minha primeira postagem sobre bh espero poder lhes apresentar o bom de nossa cidade.
claro não posso deixar de reclamar daqueles dois babacas que se dizem segurança da praça e ficam perturbando ate quem esta sentado no banco.

Violência

Hoje resolvi me revoltar, não tenho o que comer e nem mesmo o que beber. Penso que isso são motivos bastantes pra fazer mal aos outros, espero os idosos na porta do banco, as padarias e mercearias são meus alvos prediletos.

Mas já estou cansado de viver assim, melhor sequestrar alguém com dinheiro e assim ganho mais. Veja que senhora distinta, com belas roupas, e algumas jóias. Essa linda mulher será o meu alvo. Sem ela perceber lhe sigo ate sua casa, posso ver que o marido dela realmente tem dinheiro, olhe seu filho como é bem tratado e como se veste bem, bons brinquedos. Depois de muito observar, percebo que ela se deita pra dormir, e não tem mais ninguém na casa alem de seu filho pequeno, é a hora de agir. Estou a simular um simples assalto, mas com o objetivo de sequestrar a mulher e a criança. Entro em seu quarto bem quieto pra não perceber, meu instinto animal fala mais alto, amordaço sua boca rapidamente, e amarro seus braços com bastante firmeza, sem nem mesmo pensar me pego rasgando suas roupas, e fazendo coisas que nem prefiro me lembrar, seu filho um menino espero percebe tudo e se levanta, eu rapidamente vejo o movimento, e antes dele tentar alguma coisa, prendo ele em um quarto escuro, depois de machucar o pequeno garoto.

Mas como todo crime, acaba mal e com alguns feridos, no meio de tantos feridos, lá estou em uma cama de hospital, com vários médicos ao meu redor, e posso sentir o sangue escorrer no meu rosto. Na mesa de cirurgia sem poder fazer nada, vejo um rosto familiar, conheço esse médico. Mas como posso conhecer pessoa como ele? Bem de vida, com certeza nunca deve ter passado em uma favela, parece ser humilde e caridoso. Mas de repente no meio daquilo tudo, acabo tomando um choque de realidade, e no meio dos olhos azuis vejo uma raiva tão grande, mas já sei por que, pois era o mesmo homem que pude ver na cabeceira da cama da mulher, enquanto ela tentava se livrar de tamanha brutalidade. Veja como é a vida, estava violentando a mulher do medico, e espancando o seu filho, e agora horas depois, minha vida esta em suas mãos. Vejo nos seus olhos a raiva que ele sente por mim e ao pensar em tudo que fiz, posso perceber a vontade de me matar, sinto suas mãos tremulas na duvida de me salvar ou não. Ele deve cumprir o seu juramento de salvar qualquer vida ou fazer qualquer coisa pra isso? Deve ele ser o medico correto e bom? Ele tem minha vida em suas mãos e eu destrui uma boa parte da vida dele, com todo o meu egoísmo. Sei que tudo que eu passei na vida, não justifica o que eu fiz. Mas veja os olhos dele sedentos por vingança. Fico inconsciente, mas mesmo nesse estado não consigo parar de pensar no medico, e o que ele vai fazer. Depois de horas naquele lugar já me declaro morto, pois se eu fosse ele já teria tirado a vida do homem que destruiu sua família. Mas de repente meio tonto consigo abrir os olhos. Estou em uma sala de recuperação, e vejo vindo em minha direção aquele bom medico, não sei o que fazer, devo comprimentar e agradecer ou abaixar a cabeça e pedir desculpas? Mas nada disso vai amenizar a dor dele e nem retirar da memórias as coisas ruins. Mesmo dopado consigo entender tudo que ele me sussurra aos ouvidos. Aquela voz forte vem me falar que não me matou, pois não tinha esse direito, quem deve fazer isso na hora certa é Deus, mas faria de tudo pra me ver na cadeia onde é o meu lugar.

Depois de recuperado, é óbvio que fui julgado e com certeza condenado, mas o certo em minha mente é ficar indignado por ter sido detido e condenado. Mas quem sou eu pra fazer alguma coisa contra isso, o homem a quem eu fiz tanto mal, pode me salvar, enquanto podia ter me tirado a vida sem nem mesmo ser punido por isso. Não pensei que meus atos fossem ser tão graves, mas tudo que fiz me levou a um só lugar, ao fundo do poço, de onde eu acho que nunca devia ter saído. Mas veja a família do bom medico já esta se recuperando e com o tempo vão poder esquecer tudo isso. Mas agora estou no lugar que mereço, e nem posso reclamar disso tudo, pois tudo tem uma consequência, e agora com uma nova vida, boa ou ruim eu vou ter que arcar com o resultado dos meus atos.

Mir hat geträumt

“Mir hat getraumt”

         O que você faria se ao acordar pela manha soubesse que este é seu ultimo dia em vida? (...) muitas vezes quando questionados quanto a isso falamos que fariamos tudo aquilo que ainda nao haviamos feito, seja por um empedimento do tempo ou da moral. Algumas pessoas falam em pedir perdao, em fazer loucuras, em encontrar pessoas e ha tambem as que falam que fariam sexo e mais sexo. A verdadeira questao é o por que de nao fazermos isso ainda enquanto estamos em vida, por que da necesidade de sabermos que tudo vai acabar para tentarmos realiza estes feitos?
         Mir hat getraumt: tive um sonho. Hoje eu vivo numa realidade diferente, paralela. Chamada amor. Sei que é algo pelo qual vale a pena lutar. Sei que eu não desistiria tão fácil de obter algo assim. Se eu fosse morrer hoje, o que eu queria... Apenas olhar nos olhos da pessoa amada e dizer o quanto eu a amo... e sentir o calor do seu corpo no meu, ate que por fim meu corpo gelasse e minha alma transmigra-se de plano. Egoísmo meu deixar assim a pessoa amada me ter morto nas mãos, mas é o que eu faria, pois não há loucura maior, nem devaneio mais doce do que amar. Pergunto: por que procurar a normalidade, se já provamos do sabor doce e lascivo da insanidade. Hoje amo, hoje sou louco.
         E você amigo leitor? Sabe o que é amar? Como é amar? Já amou alguém assim? Então... me de suas respostas para que sejam satisfeitas minhas perguntas. Grato.

Term of Use

deixe seu comentário e o link do seu blog que eu te seguirei
no mais seja bem vindo a casa é sua